1.4.18

VAMOS FALAR DE RESSURREIÇÃO MR. HAWKING



VAMOS FALAR DE RESSURREIÇÃO MR. HAWKING

Com temor e tremor escrevo estas linhas. Com tristeza também diante do racionalismo e incredulidade de muitos que desprezam a fé em Cristo, mas devemos reafirmar nossa esperança na volta de Cristo, e com alegria devemos reafirmar nossa fé na ressurreição dos mortos. 

Retirar a ressurreição da fé cristã é como apagar o sol da nossa vida planetária. Tão certo como que o Senhor Jesus Cristo sentiu fome, sede, frio, dor e andou pelas estradas empoeiradas do Oriente Médio; foi perseguido, preso, torturado e morto numa cruz romana, também houve a RESSURREIÇÃO.

Mr. Stephen Hawking morreu em 14 de março de 2018 aos 76, por consequência de sua esclerose lateral amiotrófica (ELA). O renomado cientista astrofísico britânico considerado um gênio era ateu. Numa busca rápida na Internet é possível encontrar uma declaração sua de 2014, a qual diz que “Não há nenhum Deus. Sou ateu. A religião crê nos milagres, mas estes não são compatíveis com a Ciência”.

Enquanto Stephen Hawking era velado na Igreja St Mary the Great em Cambridge, na Inglaterra, agora no final de março, muitos cristãos de todo o mundo celebravam a páscoa -- a morte e ressurreição de Cristo --, muitos elogios fúnebres foram dados ao cientista, incluindo elogios da rainha Elizabeth segunda. O local de seu velório está localizado perto da faculdade Gonville and Caius, onde Hawking lecionou por 52 anos.

Depois do funeral em Cambridge, Hawking será cremado em outra data e suas cinzas serão colocadas ao lado de Newton e Darwin na abadia de Westminster, em Londres. Newton, que formulou a lei da gravitação universal e criou os fundamentos da matemática moderna, foi sepultado ali na abadia em 1727. Darwin, cuja teoria da evolução foi um dos avanços científicos mais abrangentes de todos os tempos, foi colocado perto de Newton em 1882.

A abadia de Westminster é um dos lugares históricos mais importantes da Inglaterra e da Europa, local de importantes eventos da história, casamentos reais, coroações da nobreza inglesa e sepultamentos de reis, rainhas e pessoas ilustres. Para os cientistas ingleses não há maior honra que esta, como membro da Royal Society, do Reino Unido: ser sepultado na abadia de Westminster.

Os enterros mais recentes de cientistas foram os de Ernest Rutherford, pioneiro da física nuclear, em 1937 e de Joseph John Thomson, que descobriu os elétrons, em 1940. A Abadia é o local de sepultamento de 17 monarcas e de muitas personalidades históricas inglesas, 16 casamentos reais e mais de 3.000 pessoas sepultadas na abadia.


 A abadia está mergulhada em mais de mil anos de história. Os monges beneditinos chegaram a este local em meados do século X, estabelecendo uma tradição de adoração cristã diária que continua até hoje (o prédio já foi controlado por católicos, anglicanos, puritanos e por anglicanos novamente até os dias de hoje). A abadia é a igreja da coroação desde 1066. A atual igreja, iniciada por Henrique III em 1245, é um dos edifícios góticos mais importantes do país, como um santuário medieval encravado em Londres. Uma casa de extraordinários tesouros de pinturas, vitrais, cerâmicas, tecidos e outros artefatos. (http://www.westminster-abbey.org/our-history/famous-people).

Por que destacar a abadia de Westminster para falar de um sepultamento de um cientista ateu famoso? Por conta do peso histórico para a fé cristã neste local. Uma das salas da abadia, mais precisamente na câmara de Jerusalém, foram realizadas muitas reuniões cristãs históricas: comitês dedicaram-se a escrever a Versão Autorizada da Bíblia em 1611, a Versão Revisada em 1870, a Nova Bíblia em Inglês em 1961 e a Bíblia Revisada em Inglês em 1989. Entre 1643 e 1649, a assembleia dos teólogos de Westminster reuniu-se na câmara e também na capela de Westminster. Não há nenhum prédio histórico no mundo com tanta história relacionada à Palavra de Deus.

A Assembleia de Teólogos de Westminster (1643-1649) foi um grande marco histórico e teológico que fechou um ciclo de produção de documentos confessionais cristãos pós-reforma protestante. É considerada como o último e mais importante sínodo da Igreja pós-reforma; ela foi de grande importância para a Inglaterra, assim como para as igrejas reformadas em todo o mundo. Formulada por 121 ministros protestantes dos mais preparados teologicamente da Inglaterra, além de 20 membros da Câmara dos Comuns e 10 membros da Câmara dos Lordes. Nenhum grande assunto da fé cristã deixou de ser debatido neste lugar.

Dos 33 capítulos do documento confessional mais importante produzido na assembleia de teólogos de Westminster, o capítulo 32 é todo dedicado ao ensino da RESSURREIÇÃO -- CAPÍTULO XXXII, DO ESTADO DO HOMEM DEPOIS DA MORTE E DA RESSURREIÇÃO DOS MORTOS. O qual afirma:

I. Os corpos dos homens, depois da morte, convertem-se em pó e vêm a corrupção; mas as suas almas (que nem morrem nem dormem), tendo uma substância imortal, voltam imediatamente para Deus que as deu. As almas dos justos, sendo então aperfeiçoadas na santidade, são recebidas no mais alto dos céus onde vêm a face de Deus em luz e glória, esperando a plena redenção dos seus corpos; e as almas dos ímpios são lançadas no inferno, onde ficarão, em tormentos e em trevas espessas, reservadas para o juízo do grande dia final. Além destes dois lugares destinados às almas separadas de seus respectivos corpos as Escrituras não reconhecem nenhum outro lugar. Gen. 3:19; At. 13:36; Luc. 23:43; Ec. 12:7; Apoc. 7:4, 15; II Cor. 5: 1, 8; Fil. 1:23; At. 3:21; Ef. 4:10; Rom. 5:23; Luc. 16:25-24.

II. No último dia, os que estiverem vivos não morrerão, mas serão mudados; todos os mortos serão ressuscitados com os seus mesmos corpos e não outros, posto que com qualidades diferentes, e ficarão reunidos às suas almas para sempre. I Tess. 4:17; I Cor. 15:51-52, e 15:42-44.

III. Os corpos dos injustos serão pelo poder de Cristo ressuscitados para a desonra, os corpos dos justos serão pelo seu Espírito ressuscitados para a honra e para serem semelhantes ao próprio corpo glorioso dele. At. 24:l5; João5:28-29; Fil. 3:21.

Nessa mesma sala da abadia de Westminster, na câmara de Jerusalém, onde se tratou da doutrina basilar da fé cristã, da RESSURREIÇÃO, caixões de muitas pessoas famosas ficaram antes de seus funerais na abadia, inclusive o caixão de Sir Isaac Newton. Diferente de Hawking, Newton era um cientista considerado deísta, ou seja, acreditava no Deus Criador que governa leis físicas universais. 

Hawking, o cientista mais célebre do mundo na atualidade, morreu depois de uma vida dedicada a sondar as origens do universo, os mistérios dos buracos negros e a natureza do próprio tempo. Seu esforço para explicar a criação e como funciona o cosmos foi realmente intenso. Mas não conheceu nem compreendeu o Deus revelado nas Escrituras (as quais afirmam a RESSURREIÇÃO dos mortos).

Por décadas seu corpo definhou ao limite máximo humano sobre uma cadeira de rodas, enquanto sua mente brilhante folheava o livro da natureza física. Chegou o mais perto que se pode chegar da revelação de Deus à luz da natureza e das obras da Criação; da Revelação Geral; da Teologia Natural; do deísmo, mas não ultrapassou a fronteira do Conhecimento da Revelação Especial de Deus; Revelação especial escrita.

Hawking conheceu como poucos as obras da criação, que manifestam a bondade, a sabedoria e o poder de Deus, mas não conheceu a vontade revelada do Deus que se revela através de Jesus Cristo. Este é o diagnóstico dado à vida do maior cientista contemporâneo, análise dada por um antigo documento confessional cristão escrito no próprio local de seu sepultamento. O primeiro capítulo da Confissão de Fé de Westminster, o início da seção primeira, sobre a ESCRITURA SAGRADA:

I. Ainda que a luz da natureza e as obras da criação e da providência de tal modo manifestem a bondade, a sabedoria e o poder de Deus, que os homens ficam inescusáveis, contudo não são suficientes para dar aquele conhecimento de Deus e da sua vontade necessário para a salvação; por isso foi o Senhor servido, em diversos tempos e diferentes modos, revelar-se e declarar à sua Igreja aquela sua vontade; (...) Isto torna indispensável a Escritura Sagrada (...) Sal. 19: 1-4; Rom. 1: 32, e 2: 1, e 1: 19-20, e 2: 14-15; I Cor. 1:21, e 2:13-14; Heb. 1:1-2; Luc. 1:3-4; Rom. 15:4; Mat. 4:4, 7, 10; Isa. 8: 20; I Tim. 3: I5; II Pedro 1: 19.

Certamente Hawking conheceu a bondade, sabedoria e poder de Deus em sua vida, em seu coração, em sua consciência, em seus estudos, mesmo que Deus tenha sido para ele um entendimento negado e desprezado. Ele mesmo alegava que seu conhecimento trazia mais felicidade para ele do que dinheiro, status e poder. Como conhecer a profundidade do universo e não reconhecer a mão invisível do poder e da inteligência do Criador?

Alguém pode questionar que Deus não foi nem bom nem justo com ele, por lançá-lo numa doença degenerativa ainda em sua juventude. Porém o Criador permitiu que sua vida tivesse sido um milagre ao chegar em 76 anos. Viajou por todo mundo, teve filhos, sondou as profundezas do universo fundamentado em física e astronomia. Segundo revistas, andou de submarino, voou num balão e até num voo da empresa americana Zero Gravity, reproduzindo situação de gravidade zero. “Me senti livre da minha doença”, ele relatou ao experimentar a falta de gravidade.

Sua mente arguta e seu corpo decrépito poderiam levá-lo ao maravilhoso conhecimento de experimentar a esperança de viver eternamente com Cristo em corpo glorioso. Esta esperança é uma extraordinária boa notícia (boas novas; Evangelho), especialmente para Hawking. A ressurreição é uma formidável verdade que leva a outra maravilhosa verdade: o corpo glorificado. A liberdade perfeita. Liberdade tão sonhada e desejada pelo cientista paralisado numa cadeira de rodas.

Suas cinzas irão para a abadia de Westminster, mas sua vida não contemplou o Redentor Jesus Cristo, acabou sendo um tipo de epicureu, e sua vida passou como alguém que somente teve necessidades físicas e materiais, e tentou fugir da morte todos os dias. Enquanto a RESSURREIÇÃO para os cristãos é uma canção de triunfo, para Hawking é um lamento, quando poderia ser uma maravilhosa esperança.

[A morte e] A RESSURREIÇÃO de Cristo é o fundamento do cristianismo, por esta fé viveram todas as gerações do povo de Deus; nesta fé os apóstolos e discípulos morreram; muitos deram suas próprias vidas por esta verdade. O Apóstolo Paulo chama a doutrina da RESSUREIÇÃO dos mortos de “O Evangelho”. --:

A palavra está junto de ti, na tua boca e no teu coração; esta é a palavra da fé, que pregamos,
A saber: Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o RESSUSCITOU dentre os mortos, serás salvo.
Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação.
Porque a Escritura diz: Todo aquele que nele crer não será confundido.
Porquanto não há diferença entre judeu e grego; porque um mesmo é o Senhor de todos, rico para com todos os que o invocam.
Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.
Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram? e como ouvirão, se não há quem pregue?
E como pregarão, se não forem enviados? como está escrito: QUÃO FORMOSOS OS PÉS DOS QUE ANUNCIAM O EVANGELHO DE PAZ; dos que trazem alegres novas de boas coisas.
Romanos 10:8-15



A doutrina da RESSURREIÇÃO é divisora de águas. Desprezada desde a antiguidade por muitos judeus e gentios. Hoje não é diferente. Se Cristo não RESSUSCITOU, é inútil a nossa pregação, como igualmente é improdutiva a nossa fé. Envolve nada menos que dois grandes pilares da vida cristã: a fé e a esperança. Leia 1 Coríntios 15 e constate a importância dessa verdade. Não podemos negá-la, pelo contrário devemos professá-la. Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras, foi sepultado, e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras. Esta verdade é deslumbrante. Cristo ressuscitou e nada parará a RESSURREIÇÃO de todos os mortos.

O Credo dos Apóstolos ecoa esta verdade através dos séculos: “Creio... na ressurreição do corpo” —. Nenhum cristão pode negar esta verdade e continuar sendo cristão. A ressurreição é a base da esperança do cristão perante a morte. A esperança da futura ressurreição dos cristãos depende da RESSURREIÇÃO de nosso Senhor (1 Co 15.1-19). -- (http://www.monergismo.com/textos/ressurreicao/ressurreicao_franklin.htm)

É espantoso pensar que haverá um amanhã de RESSURREIÇÃO (ou hoje!). Nada impedirá este dia. Nisto reside parte da esperança da Igreja de Cristo e ela tem o dever de pregar como se a crucificação tivesse sido ontem, a RESSURREIÇÃO hoje e esperando sua volta para qualquer momento.

Todas as profecias e promessas sobre Cristo se realizaram ou se realizarão na história humana. Assim como Hawking, sua família e seus amigos levarão este ano suas cinzas até a abadia de Westminster, mas não ficará para sempre ali. Uma RESSURREIÇÃO ainda nos espera. Esteja certo que Hawking se erguerá de pé ao lado de Newton e Darwin no Dia D da RESSURREIÇÃO de todos os mortos, para estar frente a frente, face a face com o Juiz e Rei das nações. Uma cena aterradora para dar início ao juízo final do Senhor.

Deus não levantou Hawking de sua cadeira em vida, mas o levantará do seu túmulo. Podemos afirmar isto? Sim, por um único motivo, Jesus Cristo ressuscitou. -- Mas de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos, e foi feito as primícias dos que dormem. (1 Coríntios 15.20). O túmulo de Cristo está vazio, e esvaziará todos os túmulos. A verdade foi pregada, o decreto está posto. Que o Senhor Jesus Cristo aumente a nossa fé e confiança em seu poder.

Raniere Menezes
Frases Protestantes
Texto ainda sem revisão







29.3.18

A IGREJA PRECISA QUEBRAR O CONTROLE-REMOTO E SAIR DO SOFÁ



A IGREJA PRECISA QUEBRAR O CONTROLE-REMOTO E SAIR DO SOFÁ

Assim como a arte imita a vida, a Igreja muitas vezes imita a vida e a cultura contemporânea.

Nada como o conforto dos bens de consumo dos dias de hoje, a comodidade de um carro confortável, uma casa aconchegante, um shopping agradável, um templo convidativo e climatizado. Tudo muito acolhedor, macio, fofo, leve, suave, não rude; sem desafios; sem maiores adversidades e provações; sem muita resistência nem confrontação.

A comodidade e dependência de espaços seguros e confortáveis da Igreja de hoje é semelhante ao cultivo de orquídeas em estufas; há todo um cuidado para criar um ambiente protegido e controlado, onde se busca as condições ideias de clima e nutrição. Protegidos do vento e da chuva, controle de temperatura, níveis de poluição e umidade. Estas variáveis ambientais controladas são excelentes para proteger espécies raras, mas a Igreja de Cristo não é plantação de orquídea rara. Ela é planta do campo, resistente ao sol, frio, chuva, vento. 

É só analisar os últimos dois mil anos de história da Igreja e constatar que ela mais floresce com desafios e provações. O conforto, a acomodação e segurança são bons e ao mesmo tempo perigosos para a Igreja.

A parte social da igreja é boa e importante, mas não podemos passar o resto da vida comendo pizza e pipoca.

Haverá crescimento nestes ambientes controlados como estufas de orquídeas? Sim! Mas não um crescimento natural de polinização e expansão. A Igreja hoje vive perigosamente em estufas. Certamente que nem todas as Igrejas, pois há regiões no mundo onde há forte oposição e perseguição aos cristãos. Mas de um modo geral, as igrejas hoje estão acomodadas e atrofiadas. Algumas mais do que outras. 

É marcante que as igrejas protestantes históricas, tradicionais e pioneiras HOJE não crescem como as igrejas pentecostais, pois estas imprimem uma característica de trabalho com ênfase em edificação de novas igrejas e forte evangelização, distinção a qual as igrejas mais tradicionais deixaram de lado, esfriaram.

As nossas igrejas pioneiras e missionárias possuíam menos recursos que nós hoje e incansavelmente plantavam igrejas, construíam escolas, hospitais, orfanatos, editoras e agências missionárias; realizações e legados que nos fazem corar de vergonha. Eles desbravaram regiões, evangelizaram de casa em casa, cuidavam dos frutos e plantavam novas igrejas, e não possuíam os recursos que temos à disposição.

A exigência da Grande Comissão continua a mesma, a Palavra de Deus é a mesma de gerações passadas, a necessidade do serviço prossegue inalterado, fazer discípulos é uma ordem do Senhor Jesus Cristo. É da natureza da Igreja adorar e evangelizar. O próprio Senhor caracterizou seus seguidores como “pescadores de homens” (Mc 1.17) e “semeadores da Palavra” (Mt 13), “ceifeiros” (Jo 4.35,36). Estas colocações pressupõem ação e serviço. O Apóstolo Paulo nos chama de “cooperadores de Deus”. A Igreja possui uma missão evangelizadora, e evangelizar é um dever e não uma opção.

“Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim, se não anunciar o evangelho!” (1 Co 9.16). Esta obrigação imposta não só é imperativa aos apóstolos, mas a todas as gerações da Igreja, Jesus disse: IDE POR TODO MUNDO E PREGAI O EVANGELHO A TODA CRIATURA. É um mandamento permanente. Que o Senhor nos livre de trancar os lábios e não anunciar o Evangelho.

O mundanismo, a nossa fraqueza carnal e o diabo tramam o silêncio e a máxima inatividade da Igreja, tentando fechar-lhe a boca em nome de uma falsa convivência pacífica ou de um ecumenismo traiçoeiro ou de uma impressão amigável a causar. Porém a evangelização é imperativa. Evangelização é a Igreja que vai, que obedece, que segue, que faz a vontade de Deus, que ataca o espaços inimigos. 

Evangelização é o choro angustiado de Cristo por uma cidade condenada; é o sentimento de Paulo por seus compatriotas; é a súplica da oração de Moisés por seu povo; é o clamor de John knox: “Dai-me a Escócia ou eu morro!”; é o soluço da madrugada dos pais pelos filhos perdidos; é o “segredo” de uma igreja forte; o “segredo” de um pregador; é a característica mais marcante de um cristão. É uma tarefa urgente para todos nós.

Se as igrejas não estão caindo em campo e realizando missões, o que têm feito? O que tem pregado? O bem-estar comunitário pode ser uma zona de conforto perigosa, corremos o risco de termos muita liberdade e pouca responsabilidade. Precisamos do desafio das missões, o desafio que faz parte do DNA da Igreja, o trabalho duro no mundo real.

Deus é o Senhor da História, e Ele deu a sua igreja raiz para crescer e força para caminhar. Hoje em nossas bolhas comunitárias tudo é razoavelmente reconfortante e agradável, sair desse sofá não significa necessariamente ir em direção a perigos mortais, mas que leve a igreja a ação, caridade, missões e vida comum de serviço.

Por favor, não diga: “eu não tenho o que fazer”. Estamos diante do KAÍROS e do KRÓNOS de Deus. Estas duas palavras da língua grega significam TEMPO. KRÓNOS é o tempo linear, a sequência dos segundos, minutos, horas, dias, semanas, meses, anos, séculos, milênios. O KAÍROS é o tempo oportuno de Deus, a hora certa para cumprir seus decretos. Ambos são criados por Deus e tem sua importância na história da redenção. Que Deus nos conceda discernimento do tempo oportuno.

Muitos missionários neste exato momento estão sendo expulsos de suas regiões, presos, torturados ou mortos. No Brasil temos hoje a liberdade de falar livremente do Evangelho. Precisamos resgatar a paixão pelas almas, com oração.

A figura de uma igreja num sofá não é uma analogia bíblica, mas assemelha-se a alguém negligente e preguiçoso. Precisamos de desafios para crescer, temos uma nuvem de testemunhas da fé cristã que são inspiração e que nos desafiam.

A igreja precisa de mais ação real, não mero ativismo. Deixe a igreja ser igreja, não uma igreja clube de recreação ou comunidade terapêutica, mas aquele antigo estandarte que faz tremer homens e demônios. Que Deus nos ajude resgatá-la em nossa geração!

Raniere Menezes
Frases Protestantes
-- Texto ainda sem revisão



RAZÕES PARA NÃO DELETAR O FACEBOOK



RAZÕES PARA NÃO DELETAR O FACEBOOK

A quem interessa criar um pânico moral em torno da FANG?

A quem interessa regular a Internet?

Já ouviu falar em FANG? É a sigla para as maiores empresas da Internet hoje.

FACEBOOK
AMAZON
NETFLIX
GOOGLE

Quatro gigantes da Internet que possuem grande parte do poder da Rede e giram em torno de bilhões de dólares. O que estas empresas têm em comum além dos 12 dígitos? Algumas são acusadas de MANIPULAÇÃO de usuários e geração de vício, principalmente Facebook e Google.

Estas empresas são realmente poderosas e estão no centro de acusações de MONOPÓLIOS. Em economia, monopólio é uma situação particular de concorrência imperfeita, em que uma única empresa domina o mercado de um determinado produto ou serviço.

Além do poder de mercado que elas detêm pesam acusações reais e outras denúncias em tom de teoria da conspiração. Algumas:

Um dos problemas apontado é a forte SEGMENTAÇÃO para cada usuário que é controlado pelos algoritmos.

Outra reclamação é que o Facebook e o Google estão destruindo o jornalismo tradicional, gerando fake news e inflamando INTOLERÂNCIA em seus usuários (cada vez mais acusados de nazistas e fanáticos).

O Facebook é acusado de provocar genocídio em Mianmar (quando censurou postagens de uma minoria que denunciava ataques do governo de Mianmar. Enquanto o governo de Mianmar continua sua campanha contra os muçulmanos rohingyas, forçando milhares a fugir do país, o Facebook teria proibido as postagens de um dos grupos minoritários, rotulando-o como uma "organização perigosa"). -- (https://br.sputniknews.com/asia_oceania/201709209397205-facebook-censura-ataques-myanmar/)

Mais recentemente surgiu uma campanha: #DeleteFacebook, o Facebook é acusado de não proteger a privacidade dos usuários e ameaçar a democracia. Após o escândalo da Cambridge Analytica pesou uma séria acusação de que o Facebook não protegeu os dados de 50 milhões de perfis da rede social para favorecer a campanha eleitoral do Trump. – Por esta denúncia, pessoas, empresas e países ameaçam excluir contas no Facebook.

Certamente a lista sempre pode aumentar, aqui é um simples resumo de acusações atribuídas ao Facebook, o “F” do FANG.

Neste tema é interessante perceber que quando surge um problema que envolve uma grande empresa como o Facebook, alguns logo querem encontrar um culpado e lançam responsabilidade à Internet. Vale a pena questionar, quando se culpa a Internet como um mal social, a quem interessa “incriminá-la”?

Observe bem quem acusa, se é a mídia tradicional, políticos ou uma personalidade, e o que pretendem com isso?

QUESTIONE E EXAMINE se querem aprovar novas leis para um maior controle social. ISTO É DE FUNDAMENTAL IMPORTÂNCIA.

Este problema do Facebook de vazamento de dados dos usuários é sério? SIM, e muito! Mas o caminho para resolver este problema não é ter uma Internet regulada.

Qual é o governo politico competente para regular a Internet?

O governo ao invés de querer controlar a Internet deve exigir que as empresas respeitem mais os direitos de seus usuários; que as empresas tomem medidas concretas para corrigir os problemas que surgem; que respeitem a PRIVACIDADE dos usuários; que deixem de ser uma máquina monstruosa de segmentação.

O usuário tem o direito de saber o que o Facebook sabe dele e como esta informação está sendo usada; ter o direito de excluir e corrigir dados. Estas coisas o governo pode cobrar e exigir.

O que precisamos tanto das empresas como dos governos é que trabalhem com transparência e honestidade. Este é o problema!

A confiança do público é fundamental, sem credibilidade nem empresa nem pessoa nem governo se sustentam por muito tempo.

Estas empresas estão aí, certamente com muitos benefícios e avanços para a sociedade como um todo. Tem como voltar a uma sociedade sem Internet e redes sociais?

Há certamente muito lixo no mar poluído da comunicação e informação da Internet, mas existe muito conteúdo inteligente, boa informação e boa articulação. Plataformas como Facebook, Twitter, Instagram, You Tube são ferramentas de uma tecnologia de massa e o poder de CONECTAR pessoas é muito forte, e compartilhar conteúdo é sua força. Todas essas ferramentas servem para informar, educar e engajar. Querer REGULAR com a mão do Estado é muito perigoso.

É preferível um Facebook com problemas a um Facebook controlado pelo Estado.


Raniere Menezes
Frases Protestantes



25.2.18

7 FATOS APONTADOS POR UM FACT-CHECKING DE FAKE NEWS QUE IRÃO ENLOUQUECER E CONFUNDIR JORNALISTAS E ANALISTAS POLÍTICOS NAS ELEIÇÕES DE 2018



7 FATOS APONTADOS POR UM FACT-CHECKING DE FAKE NEWS QUE IRÃO ENLOUQUECER E CONFUNDIR JORNALISTAS E ANALISTAS POLÍTICOS NAS ELEIÇÕES DE 2018

IMPREVISÍVEL é a palavra predominante das eleições de 2018 no Brasil. Haverá uma certeza:

Uma guerra de desinformação será travada nas eleições de 2018 aqui no Brasil.

O cenário da disputa eleitoral vai se desenhando e algo “semelhante” à corrida presidencial dos EUA em 2016 irá surgir por aqui de modo nunca visto antes.

Se em 2014 já experimentamos no Brasil a primeira onda de fake news, agora estamos diante de um tsunami. As noticias falsas sempre existiram, mas ganharam nos últimos anos uma força de contágio muito forte, potencializada pela comunicação digital e redes sociais. As fake news e seu controle na internet são desafios extraordinários para as eleições de 2018. O quanto irá alterar o processo eleitoral saberemos no final das eleições.

No final do ano de 2017 um relatório internacional posicionou o Brasil em 4º lugar em usuários de Internet. -- Com aproximadamente 120 milhões de pessoas conectadas, o Brasil fica atrás apenas dos Estados Unidos (242 milhões), Índia (333) e China (705). Depois do Brasil, aparecem Japão (118), Rússia (104), Nigéria (87), Alemanha (72), México (72) e Reino Unido (59). – (agenciabrasil.ebc.com.br).

A multiplicação de histórias falsas na política vai explodir este ano no Brasil. O que já vem acontecendo desde 2014. Se este fenômeno é motivo de grande ou pequeno impacto no resultado das eleições é ainda um assunto controverso e de resultado imprevisível. Tudo ainda é muito novo e rápido. As cadeias causais são desafiadoras para os analistas. 

E por mais que se diga que haverá algum tipo de controle por parte da Justiça Eleitoral, Polícia Federal, Abin, MP, Exército etc., a vigilância desses órgãos não consegue acompanhar a rapidez e a quantidade do fluxo de informações falsas que surgem a cada segundo. Este é o primeiro fato:

1. A rapidez e a frequência de conteúdos em circulação têm um fluxo gigantesco que dificulta a constatação da veracidade. Imagine a floresta amazônica pegando fogo e uma brigada de incêndio tentando apagar milhares de focos ao mesmo tempo, é praticamente impossível.

As tecnologias atuais para filtrar a veracidade de fatos e a Ciência da Informação estão em fase inicial de eficácia no combate às  fake news. As gigantes Google e Facebook, que comem uma fatia de mais da metade do mercado publicitário digital do mundo, vêm investindo bilhões de dólares para desenvolverem tecnologias de detecção de fake news, mas os problemas de verificação não são simples de resolver. 

Detecção e filtragem exigem que os computadores realizem o trabalho de checagem de um exército de jornalistas. É um desafio monstruoso filtrar informação em grande escala, e 2018 não está preparado ainda para isso, muito menos no Brasil. Se EUA, Alemanha e França ainda estão tentando resolver este problema, o Brasil não vai encontrar a solução em 2018.

A complexidade em detectar uma mentira é mais fácil para um humano do que para uma máquina (algoritmos), elas ainda não são tão boas em criar ou desmascarar mentiras quanto nós. A notícia falsa geralmente se esconde sutilmente atrás de uma aparência de fonte confiável, de um jornalismo sério e de credibilidade. A imprensa pode até tentar apagar os focos de incêndios das fake news, mas em 2018 não está preparada para resolver o problema.

2. A alta conectividade digital em crescimento. Se o fenômeno de notícias falsas em larga escala no Brasil nas eleições 2014 gerou aproximadamente 10% do fluxo de informação da Internet. Este fluxo pode facilmente dobrar em 2018. Na Internet mundial o conteúdo digital dobra a cada dois anos. O Brasil é um dos maiores usuários do mundo do Facebook, WhatsApp, Instagram e You Tube (o WhatsApp em termos de viralização de uma notícia positiva ou negativa se espalha mais rápido e para mais pessoas do que o compartilhamento do Facebook, por exemplo, pois a visibilidade deste é mais segmentada por algoritmos e acaba reforçando o efeito bolha).

O brasileiro é um campeão mundial quando se trata de conectividade na Internet, e encontra-se em forte expansão. Some este crescimento vertiginoso com o analfabetismo funcional. O próximo fato.

3. O analfabetismo funcional brasileiro ultrapassa 90% em variados níveis de alfabetização precária. Mesmo quem é alfabetizado elementarmente, a maioria quando realiza uma leitura na Internet lê apenas o título ou o primeiro parágrafo, numa leitura escaneada e superficial. Assim são os usuários da Internet brasileira e também os eleitores. O que falta em leitura nos brasileiros sobra em criatividade, o Brasil é o maior produtor de memes do mundo.

Os memes são basicamente “imagens-mensagens” virais de difícil conceituação, mas de fácil compreensão no mundo digital. O meme parece inofensivo quando comparado a uma notícia falsa, mas tem um poder de detração sutil, pode ser usado juntamente com as fake news com a intenção “plantar” ideia, ridicularizar, menosprezar, atacar a credibilidade de um adversário, manipular, distorcer e desconstruir uma ideia ou pessoa; é uma arma de propaganda e persuasão. Foi muito usada nas eleições de 2014.

4. O brasileiro adora notícia sensacionalista e negativa. Neste quesito não estamos sozinhos. Notícias falsas sobre eleição nos EUA (2016) tiveram mais alcance que notícias reais. A Buzzfeed News analisou 40 notícias (verdadeiras e falsas) em três meses. Vinte notícias falsas tiveram desempenho superior ao conteúdo de jornais. Várias notícias falsas sobre as eleições presidenciais nos Estados Unidos tiveram mais alcance no Facebook do que as principais histórias eleitorais de 19 grandes fontes de notícias, como os jornais “New York Times”, o “Washington Post” e a NBC News. Geraram mais acessos e compartilhamentos, na casa dos milhões em cada fake newsfake News. 

Fatores negativos comprovadamente atraem a atenção. As mensagens positivas, “do bem”, emocionais, de autoajuda, também desempenham um alto fluxo de compartilhamentos, mas quando se trata de eleições, a guerra de informações prevalece e a polarização política é acentuada. Seja na América de cima ou de baixo. A polarização política é o quinto ponto.

5. Polarização política é uma barreira ideológica monstruosa que impede qualquer diálogo civilizado e não vai mudar para melhor em 2018. Faça uma pesquisa rápida por imagens sobre as eleições na América do Norte e observe os mapas infográficos divididos em azul e vermelho, e a paixão pelas cores e ideologias. Por aqui não é diferente, de um lado o vermelho da esquerda e do outro as cores da bandeira nacional, verde e amarelo, que caracteriza muito mais um antiesquerdismo crescente, do que uma direita e conservadorismo em ascensão. A polarização política é fato nas ruas e os extremos são acentuados nas redes virtuais, basta atentar para os rótulos comuns de “Mortadelas vs Coxinhas”.

Augusto de Franco, um especialista em redes sociais, destaca que “há trinta anos, não muito mais do que cinco mil pessoas participavam regularmente do debate público no Brasil e, agora, mais de um milhão de pessoas interagem politicamente”. – O jornalismo clássico de massa (mainstream media) e os institutos de pesquisas sempre trabalharam como fabricantes de tendências e factoides, ou pelo menos sempre foram acusados dessas práticas. E agora se encontram em um tipo de crise adaptativa em meio ao tsunami de desinformações. 

Os jornais tradicionais apontam que as páginas fake news subiram mais de 60%, enquanto as páginas de jornalismo tradicional caíram aproximadamente 20%. Jornalismo em queda, fake news em alta, este é o quadro de 2018. Dois terços dos adultos norte-americanos (67%) declararam que se informam via redes sociais, de acordo com um estudo de agosto de 2017 realizado pelo Pew Research Centre. -- brasil.elpais.com. – O Brasil segue o mesmo rumo, com níveis menores de escolaridade.

6. As pessoas amam compartilhar histórias, notícias e informações, todos nós temos uma tendência de acreditar na "autoridade" de pessoas que confiamos. Há estudos que indicam que aproximadamente 50% das decisões tomadas no dia a dia tem origem na influência social (buzz). -- A Economia Comportamental está aí para todo mundo comprovar seu poder de ligação entre Consumo e Cérebro, Marketing e Psicologia. Palavras-chaves como “confiança”, “emocional”, exemplificam que a influência social é mais eficiente que a informação em si. A informação (falsa ou verdadeira) sozinha não é nada, mas quando compartilhada por pessoas de confiança faz toda diferença.

O que está em jogo é muito mais que a história, é a credibilidade do que “merece” ser compartilhada. – Se eu sou vegetariano e tenho um amigo que ama carne e vai ser inaugurada uma excelente churrascaria na cidade, ele não vai compartilhar esta informação comigo, e sim, irá selecionar, segmentar outro amigo que tenha interesse nessa notícia, essa é a eficiência do compartilhamento. No caso dos memes ou das fake news, a mensagem não é nada em si, mas apenas um gatilho, o que realmente faz diferença é a interação, a transmissão social que seja relevante para algumas pessoas ou grupos. Esse é o peso real da influência e persuasão. 

O poder do contágio se concentra neste ponto: confiamos mais em recomendações de amigos sociais, não nas fake news em si. Por isso é crescente um novo personagem neste cenário: os influencers.
Quem nunca...? Muitas vezes por falta de tempo ou pela urgência e apelo de uma mensagem ou por preguiça mesmo, compartilhamos uma mensagem por que algum amigo social nos enviou, e não nos damos ao trabalho de fazer uma breve checagem e acabamos repassando uma informação falsa.

7. Há três tipos de reações de pessoas que consomem e compartilham fake . A) Há os Checadores dos Fatos (fact-checking), estes desconfiam de todas as notícias e sabem identificar as fake news, não compartilham ou não comentam desmerecendo a informação ou ainda, alertam outros da falsidade, prezam pela ética; B) Outros serão manipulados e não saberão evitar compartilhar a falsa notícia, não são educados politicamente e serão enganados mais facilmente; C) Outros reconhecem que é uma fake news, mas a compartilhará como verdade porque faz parte do jogo da desinformação (os fins justificam os meios). A intenção deste último pode ser para desestabilizar adversários. E gerar boatos é uma ferramenta de contrapropaganda, muitos fazem por lucro, fanatismo ou provocação. Neste caso não há nenhuma preocupação pela ética e cidadania.

Indivíduos, grupos e agências de fact-cheking têm crescido em mais de 40 países. No Brasil há três agências e nos EUA há 43. As agências auxiliam o jornalismo profissional e reforçam as fileiras de combates aos focos de fake news.

Conclusão:

Milhões de pessoas procurando, recebendo e compartilhando mensagens em um volume de dados na casa dos bilhões diariamente. A previsão é que até 2020 haja um total de 40 trilhões de gigabytes de dados no mundo. Por várias razões, o senso crítico das pessoas que consomem informação na Internet está em níveis baixos, consequentemente as notícias falsas e sensacionalistas atraem mais que as fontes razoavelmente confiáveis. Não por acaso, o interesse pelas fake news e apelos à emoção são fontes de dinheiro para os produtores ou atrai alguma vantagem aparente. A maioria do público é imediatista e checar mídias, jornais, internet não faz parte do dia-a-dia das pessoas.

Raniere Menezes
Frases Protestantes

Imagem:

Ferdinand van Kessel (Flemish, 1648–1696)



17.2.18

Como entrar em desacordo e argumentar de maneira intelectualmente honesta


Como entrar em desacordo e argumentar de maneira intelectualmente honesta

Como entrar em desacordo

A internet transformou a escrita em conversação. Há vinte anos, escritores escreviam e leitores liam. A internet permite que seus leitores respondam, e cada vez mais eles fazem em comentários em posts, fóruns e em seus próprios blogs. Muitos daqueles que respondem tem algo a discordar sobre o que leem. Isso já é esperado. Concordar com um texto motiva menos as pessoas do que discordar. Quando você concorda, há menos para se dizer. Você pode expandir o que o autor afirmou, mas talvez ele já explorou todas as implicações interessantes. Quando você entra em desacordo, você está entrando em um território que o autor ainda não explorou.

O resultado é que há muito mais divergências acontecendo, e você pode medir isso pelas palavras e respostas por aí. Isso não significa que as pessoas tem se tornado raivosas. A mudança estrutural na maneira de como nós nos comunicamos já é suficiente para explicar isso. Apesar de não ser a raiva que está causando um aumento nos número de desacordos, há o perigo de que o aumento no número de deles faça com que as pessoas se tornem mais raivosas e infelizes umas com as outras. Particularmente online, onde é fácil dizer coisas que você nunca diria cara a cara.

Se nós vamos entrar em desacordo mais vezes, então nós deveríamos tomar cuidado com isso. Muitos leitores conseguem saber a diferença entre xingamentos e uma refutação cuidadosamente construída, mas eu acho que ajudaria se colocássemos nomes para os estágios intermediários. Então tentaremos estabelecer uma hierarquia do desacordo.

0) Xingamento

Essa é a forma mais baixa de desacordo e provavelmente a mais comum. Todos nós já vimos comentários assim:

“vc é uma bicha!!!”

Mas é mais importante perceber que uma forma mais articulada de xingamento também tem o mesmo peso. Um comentário do tipo
“O autor é pedante e o artigo é horrivelmente construído.”

não é nada além de uma versão pretensiosa de “vc é uma bicha!!!”.

1) Ad Hominem

Um ataque ad hominem não é tão fraco quanto um simples xingamento. Ele pode conter algum peso. Por exemplo, se um senador escreve um artigo dizendo que os salários dos senadores deveriam ser aumentados, alguém poderia rebater:

“Claro que ele diz isso. Ele é um senador.”

Isso não refutaria o argumento do autor, mas pode pelo menos parecer relevante para este caso. No entanto, ainda é uma forma bem fraca de desacordo. Se há algo de errado com o argumento do senador em si, então você deveria dizer o que está errado; e se não há, então que diferença faz o fato de ele ser um senador?

Dizer que um autor não tem autoridade para escrever sobre um assunto é uma variante de ad hominem e particularmente uma variante inútil, pois as boas ideias geralmente vêm dos outsiders (aqueles que ainda são desconhecidos no meio). A questão é sobre o autor estar correto ou não. Se a sua falta de autoridade causou e fez com que ele cometa erros, então aponte-os. E se falta de autoridade não está ligada aos supostos erros, então ela é realmente irrelevante.

2) Respondendo ao tom

Nesse nível superior começamos a ver respostas ligadas diretamente ao conteúdo do texto, ao invés de serem ligadas ao autor. A forma mais inferior desse tipo de argumento é discordar do tom utilizado pelo autor no texto. Por exemplo:

“Eu não posso acreditar que o autor rebate o Design Inteligente de maneira tão arrogante.”

Apesar de ser melhor do que atacar o autor, esse ainda é uma forma fraca de divergir. É muito mais importante saber se o autor está certo ou errado do que apontar os dedos para o tom utilizado em seu escrito. Especialmente porque é difícil julgar um tom de maneira isenta. Alguém que está emocionalmente envolvido com determinado tema pode sentir-se ofendido por um determinado tom, enquanto o mesmo pode ter sido percebido como neutro por outros leitores.

Então, se a pior coisa que você pode dizer a respeito de algo é criticar o seu suposto tom, então você não está dizendo muito. O autor é rude, porém correto em seus argumentos? Melhor isso do que ser grosseiro e estar errado. E se o autor está errado em alguma afirmação, aponte onde está o erro e refute.

3) Contradição

É nesse estágio que nós finalmente encontramos respostas minimamente substanciais para o que foi dito, ao invés de respostas para como tais coisas foram ditas ou por quem elas foram ditas. A forma mais baixa de se responder à um argumento é simplesmente afirmar o oposto, contradizendo o autor, com nenhuma ou pouca evidência, através de um argumento falacioso ou simplesmente frágil.

Esse tipo de argumento é muitas vezes combinado com argumentos do tipo (2), de resposta ao tom:

“Eu não posso acreditar que o autor rebate o Design Inteligente de maneira tão arrogante. O Design Inteligente é sim uma teoria científica.”

A contradição pode ter algum peso. Às vezes, apenas contradizer e afirmar o oposto explicitamente pode ser suficiente para verificar-se que está correto. Na maioria dos casos, evidências e uma argumentação mais rica são necessárias.

4) Contra-argumento

No nível (4) encontramos a primeira forma de desacordo convincente: o contra-argumento. Até esse ponto, todas as formas anteriores podem ser ignoradas como irrelevantes e muito inferiores. O contra-argumento pode provar ou refutar algo. O problema é que pode ser difícil verificar o que um contra-argumento realmente prova.

Um contra-argumento é uma contradição expressa em conjunto de evidências confiáveis e argumentação lógica sólida. Quando direcionado diretamente contra o argumento original do autor, ele pode ser convincente. Mas infelizmente é comum encontrar contra-argumentos que estão atacando posições diferentes daquelas alçadas originalmente pelo autor. Nesse sentido, podemos dizer que um bom contra-argumento pode estar tentando atacar um “espantalho” do argumento original do autor criado conscientemente ou não e que é uma versão distorcida do argumento, geralmente fácil de ser rebatida. Muitas vezes, duas pessoas estão discutindo passionalmente sobre duas coisas completamente diferentes. Os indivíduos até concordam um com o outro, mas estão tão profundamente envolvidos no embate que acabam cegando para esse fato.

É possível que exista uma razão legítima para argumentar contra alguma coisa ligeiramente diferente daquela que sustentada originalmente pelo autor: quando você percebe que ele deixou escapar o âmago ou ponto central da questão. Mas quando você fizer isso, deve dizer explicitamente, de maneira textual e direta, que você percebeu que o autor errou por pouco o alvo.

5) Refutação

A maneira mais convincente divergir de seu proponente é a refutação. É também a mais rara, já que é a mais difícil. De fato, a hierarquia do desacordo forma uma espécie de pirâmide, no sentido de que as formas que se encontram no topo são as mais raras de se encontrar.

Para refutar alguém, é preciso que provavelmente você faça uma citação do argumento do mesmo. Você precisa ser capaz de achar uma “fumaça” ou “ponto fraco” em uma passagem do texto do autor que você percebe que está errada, e então explicar por que ela está errada. Se você não consegue encontrar uma passagem textual, de preferência clara e objetiva, então é possível que você esteja correndo o risco de estar argumentando contra um “espantalho” criado pela sua própria sede de encontrar uma falha nos argumentos do autor.

Mesmo que a refutação geralmente venha forma de criação de citações de passagens do texto do autor, o fato de estar citando passagens diretas do texto do autor não implica que uma refutação está realmente acontecendo. Algumas pessoas citam partes do texto que elas discordam apenas para dar a aparência de que estão prestando atenção nos argumentos, e de que estão produzindo uma refutação legítima, quando na verdade estão construindo uma resposta tão inferior quanto uma (3) contradição ou um (0) xingamento.

6) Refutando o ponto central.

A força de uma refutação depende daquilo que você refuta. A forma mais poderosa de desacordo é refutar o ponto central afirmado por alguém.

Muitas vezes, mesmo em níveis alto como (5), encontramos desonestidade intelectual deliberada, como por exemplo quando alguém refuta apenas os argumentos acessórios ou adjacentes ao argumento central proposto pelo autor que ainda se mantém forte em seu ponto central. A refutação do ponto central é tão forte e avassaladora que, na maioria das vezes, é percebida pelo público como um grande ad hominem ou como arrogância e abuso de intelectualidade por parte do refutador, ao invés de um argumento legítimo.

Para verdadeiramente refutar algo, é necessária uma refutação do ponto central ou pelo menos de alguns deles. E isso significa se comprometer em expressar textualmente, da maneira mais objetiva possível, qual é o ponto central que está sendo refutado no momento. Então, uma refutação verdadeiramente efetiva se parece com isso:

“O ponto central do autor parece ser x. Como ele mesmo diz:
Mas isso está errado por diversas razões, como por exemplo y e z…”

A citação apontada não precisa ser necessariamente uma afirmação textual exata àquela expressa originalmente pelo autor em seu ponto central. Algumas vezes, alguma citação que prove uma dependência essencial em relação ao ponto central já é suficiente.

O que isso tudo significa

Agora nós temos uma maneira ligeiramente informal de classificar formas de desacordo. Qual o benefício disso? Uma coisa que a hierarquia do desacordo não nos dá é uma maneira de escolher um argumento vencedor. Os níveis apenas descrevem o formato dos argumentos e não se eles são corretos. Uma resposta (6) de refutação do ponto central, ainda que sólida, pode estar completamente errada.

Mesmo que os níveis de desacordo não estremem um limite inferior sobre o grau de convencimento de respostas e replicas em uma discussão, eles acabam sim delimitando um limite superior. Uma resposta (6) de refutação do ponto central pode não ser convincente, mas uma (2) de resposta ao tom do texto do autor é sempre fraca e inconvincente.

A vantagem mais óbvia de se classificar formas de entrar em divergência é que isso pode ajudar as pessoas a avaliar o que elas estão lendo. Em particular, vai ajudar elas a identificar argumentos intelectualmente desonestos. Um orador eloquente ou escritor pode causar a impressão de estar subjugando oponentes apenas por estar usando palavras de impacto. De fato, essa é a qualidade dos demagogos. Ao dar nomes para as diferentes formas de entrar em desacordo, damos aos leitores um alfinete para estourar tais balões argumentativos.

Tais rótulos podem ajudar os escritores também. A maioria das desonestidades intelectuais são não-intencionais, muitas vezes irracionais e inconscientes. Alguém que está argumentando contra o tom empregado pelo autor em um texto pode realmente acreditar que o texto está falando algo válido. Dar um passo para trás e ver a figura de longe pode inspirá-lo a tentar mover as suas respostas para o status de (4) contra-argumento ou (5) refutação.

Mas o grande benefício de entrar em desacordo de maneira racional e inteligente não é que isso pode fazer com que as nossas conversas fiquem melhores, mas fazer com que as pessoas envolvidas nelas tornem-se mais felizes. Se você estudar as conversas, perceberá que os argumento próximos de (1) contém muita mesquinhez e maldade. Para destruir um argumento você não precisa destruir o oponente. De fato, você não quer. Se você se concentrar em subir a hierarquia da pirâmide do desacordo, farás com que a maioria das pessoas tornem-se felizes. A maioria das pessoas não gosta de mesquinhez; elas só fazem isso porque se envolvem emocionalmente.

*Paul Graham, Ph.D. em Ciência da Computação pela Havard University e B.A. em Filosofia pela Cornell University, empreendedor do Vale do Silício e famoso pelo seu trabalho na linguagem de programação Lisp (autor de ‘On Lisp’ e ‘ANSI Common Lisp’).
Via: Bule Voador


26.11.17

TECNOLOGIA E TEOLOGIA, DE GUTEMBERG A ZUCKERBERG


TECNOLOGIA E TEOLOGIA,
de Gutemberg a Zuckerberg

Tudo foi criado por ele e para ele.
Colossenses 1:16

A tecnologia, o trabalho e o domínio do homem sobre a natureza, estão interconectados; o domínio e o trabalho geram inevitavelmente tecnologias desde os primórdios. O domínio humano por meio do trabalho sob Deus é uma grande benção, promove potencialidades da vida, energia social construtiva, material e espiritual. Em Gênesis, no relato inicial da criação, no primeiro capítulo, versículo 28, destaca-se que Criador deu ao homem o poder de “sujeitar e dominar” sobre a terra. Assim nasceu a capacidade da escrita como tecnologia da comunicação e todas as outras potencialidades tecnológicas, até hoje, usadas para o bem ou para o mal.

Este “domínio” bíblico transcorre todas as gerações humanas sobre a terra e sedimenta a cosmovisão teísta sobre o trabalho. O avanço tecnológico é uma consequência do trabalho e do domínio humano.

No desenrolar do processo das reformas do século XVI, há um destaque para a tecnologia da comunicação ou da informação, através da prensa tipográfica e da libertação religiosa imposta pelo jugo papal sobre o século XVI (e pela estrutura Medieval), especialmente a partir de Martinho Lutero. O reformador alemão e outros reformadores, especialmente João Calvino, são atribuídos importantes contribuições ao nosso mundo ocidental de hoje, contribuições das mais diversas; ideias impulsionadas pelo poder do compartilhamento dos textos impressos.

A Reforma inicialmente não trouxe alguns benefícios imediatos como conhecemos hoje, mas contribuiu para a geração de valores de nossos tempos, como por exemplo, a liberdade de expressão, abertura de debates e diálogos religiosos e acadêmicos, novas ideias, resgates de ideias antigas, questionamentos sobre ensinos, ciências, cosmovisões em choques, surgimento de universidades protestantes, as quais deram inícios a novas ciências. As reformas protestantes encapsularam muitos dos valores que temos hoje. Progressos tecnológicos não são exclusividades da influência protestante, mas consequências do domínio humano sobre a natureza, porém alguns períodos se destacam como curvas ascendentes em gráficos. E certamente o legado do período protestante contribui grandemente para o formato do Ocidente, hoje.

Lutero, Calvino e outros reformadores desafiaram governos e poderes hostis, e abriram caminho para a democracia que conhecemos hoje. Os protestantes ora apoiavam, ora derrubavam monarquias, e lançaram novas bases para a futura democracia moderna, diferentemente da democracia grega, esta mais elitista.

O princípio da separação da influência estatal sobre a Igreja é uma herança protestante. Um dos legados mais famosos e distorcidos atribuído ao protestantismo foi o capitalismo, através da popularmente difundida “ética protestante do trabalho”, que contribuiu para a formação da economia moderna. O capitalismo inglês, holandês, enfim Europeu e dos EUA, moldou a economia mundial como temos hoje. -- A antiga Genebra de Calvino não era um paraíso democrático, mas é fato que aí nasceu a semente da democracia moderna, a liberdade da América deve muito aos pioneiros colonizadores protestantes calvinistas.

Efeitos econômicos e acadêmicos associados trouxeram inevitavelmente resultados tecnológicos e novas ideias nos mais diversos campos da sociedade Ocidental. Há contribuição protestante ao mundo nas áreas acadêmicas, politicas, sociais e culturais. O campo educacional, por exemplo, é bem marcante que o protestantismo rompeu com a educação medieval, a qual o acesso era para uma minoria rica. A Genebra protestante dos tempos de Calvino é uma precursora da educação pública moderna, os avanços culturais e políticos derivados são inestimáveis.

O poder de publicar ideias derivado das reformas que sucederam a Reforma Protestante somado à tecnologia da imprensa do século XVI ofereceu um avanço singular para a história humana. A Reforma iniciada por Lutero é um ponto convergente que lançou as bases para outras reformas. A produção literária em escala crescente após a invenção da prensa tipográfica nesses 500 anos, a abundância de pesquisas, ferramentas e tecnologias, são crescentes a cada geração. De Gutemberg a Zuckerberg, a tecnologia da informação deu grandes saltos e atualmente estamos vivendo uma era de armazenamentos em chips, fluxo de dados monstruosos e arquitetura de nuvens. Para onde nos levará esta transformação digital?

O problema da antibiblioteca

O primeiro problema que se apresenta em nosso século é filtrar o imenso volume de informação disponível, -- que um escritor da atualidade chamou de “antibiblioteca”. Este termo é usado por Nassim Taleb, que narra uma ilustração muito interessante sobre a biblioteca de Umberto Eco. É conhecido no meio acadêmico que o escritor italiano Umberto Eco tem uma biblioteca de cerca de 30 mil livros, e conta Nassim Taleb, que os visitantes da biblioteca do Umberto Eco são divididos em duas categorias: Os que reagem com “UAU! que biblioteca é esta?! Quantos livros desses o senhor já leu?” -- E outros, que entendem que uma biblioteca não é um prolongamento para elevar o próprio ego, e sim uma ferramenta de pesquisa. O Nassim Taleb é muito perceptivo nesta ilustração sobre a biblioteca do Umberto Eco, e diz: “Você acumulará mais conhecimento e mais livros à medida que for envelhecendo, e o número crescente de livros não lidos nas prateleiras olhará para você ameaçadoramente. Na verdade, quanto mais você souber, maiores serão as pilhas de livros não lidos. Vamos chamar essa coleção de livros não lidos de antibiblioteca”.

Na revista Época, em entrevista em 30/12/2011, o Umberto Eco diz que "o excesso de informação provoca amnesia", ele diz que a Internet é perigosa para o ignorante e útil para o sábio, porque ela não filtra o conhecimento e congestiona a memória. Ainda segundo Eco, "a internet não seleciona informação... é um mundo selvagem e perigoso... A imensa quantidade de coisas que circula é pior que a falta de informação. Conhecer é cortar, é selecionar”.

Sem dúvida o conhecimento está se tornando mais acessível via computadores e Internet. A alta conectividade fez o mundo se transformar numa grande cidade de regiões interligadas, estamos todos integrados através de várias mídias. As maiores universidade do mundo estão oferecendo acesso aos seus bancos de dados, isto por si só é algo extraordinário. Porém juntamente com esta maravilha, há um estrondoso volume de ruídos, de conteúdos irrelevantes, distrações e Fake News. Temos excessos de informações boas e ruins. O bom conhecimento está espalhado como garrafas de mensagens em meio à poluição marinha.

Tecnologia para o Reino de Cristo

Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém. (Romanos 11.36). -- Todas as coisas procedem de Deus, todas as coisas são feitas ou forjadas por Ele, e todas as coisas existem para a Sua glória e para realizar os Seus fins. A tecnologia ficaria de fora?

O mundo contemporâneo é complexo em conflitos crescentes, e sem dúvida, bons conteúdos em informação são ferramentas excelentes, podemos examinar melhor o passado e projetar melhores estratégias para o futuro. Precisamos reavaliar as bases que foram lançadas (ao longo da história da Igreja), e ampliar uma visão de missões, de Reino e avançar em justiça e misericórdia, precisamos resgatar a pregação do pecado, do arrependimento e da salvação, como antigos profetas e reformadores. Não precisamos de grandes reformas, mas de muitas pequenas reformas. Precisamos reformar nosso conforto, comodismo, nosso consumismo, nosso trabalho, nosso bolso, nossa mão fechada que não se estende aos pobres, necessitados, vulneráveis, oprimidos e marginalizados. Reformar a visão de missão e de Reino, e avançar; fortalecer a Igreja financeiramente para que suas agências missionárias funcionem com menos penúria. Temos bibliotecas suficientes para encher muitos estádios de futebol, precisamos colocar em prática todas as coisas boas e úteis em ação. – “Examinai tudo. Retende o bem”. (1 Tessalonicenses 5.21). Coloquemos tudo à prova, como um ourives que submete o metal ao fogo. Devemos rejeitar tudo que é falso. Deus deu a sua Igreja o discernimento da verdade. -- ...tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai. (Filipenses 4.8).

Em meio a tanta informação disponível precisamos de três coisas: Saber filtrar (discernir), compartilhar e impulsionar. Este é o desafio missionário do século 21.

Desafio missionário

Se formos compactar a linha do tempo desses últimos 500 anos de produção teológica de qualidade, teremos como resultado uma excelente mega biblioteca para equipar um exército de missionários cristãos. Mas onde estão estes missionários? Não exatamente os missionários transculturais, que são em menor número, mas os missionários do cotidiano, das famílias, dos ambientes de trabalho, acadêmico, das igrejas locais, de leigos? A Igreja nunca foi estática, mas dinâmica. Jesus e os apóstolos e discípulos eram a própria Igreja em movimento. Aspiramos os Céus, porém não podemos ser meramente contemplativos.

Precisamos reformar a nossa adoração para que ela não seja simplesmente contemplativa mas ativa, cheia de ação no mundo real, que ao adorarmos não possamos esquecer de fugir das injustiças e impiedades. Independentemente de pontos de vistas teológicos diversos, precisamos rever o passado e não repetir seus erros. Há muitos erros no passado que devemos não esconder, mas aprender. Erros da Igreja e cristãos individualmente, temos uma tendência de tentar evitar as biografias negativas de nossos “heróis”, mas Deus não faz isto em sua Palavra, ele mostra a fidelidade de homens como Abraão, Moisés, Davi e outros, mas também mostra e expõe suas fraquezas.

Na Reforma e reformas posteriores, temos disputas de poderes religiosos e políticos, guerras, ódios e outros aspectos negativos. Após a Reforma de 1517 temos cerca de 200 anos de guerras religiosas. Teólogos e evangelistas protestantes, que trouxeram valiosas contribuições para teologia cristã, em suas épocas apoiavam a escravidão. Os calvinistas holandeses no Caribe praticaram opressão escravagista no passado. Devemos desconstruir a história para torná-la mais positiva e palatável? Não! Devemos aprender com nossos erros e buscar redenção dos fracassos. A cada geração Deus oferece oportunidades para expansão do Seu Reino.

A grande luta dos 500 anos para frente não é produzir mais teologia, embora ela continuará sendo produzida, mas lutar contra as inconsistências que acompanham os movimentos evangélicos desde sempre; a batalha é não comprometer a pureza doutrinária com uma vida antiética. Nossa árvore está gigante, mas precisamos dar frutos de arrependimento em nossa geração. -- Ele te declarou, ó homem, o que é bom; e que é o que o Senhor pede de ti, senão que pratiques a justiça, e ames a benignidade, e andes humildemente com o teu Deus? (Miquéias 6.8). Amar a Deus não de palavra, praticar a misericórdia e justiça. -- Misericórdia quero, e não sacrifício. Porque eu não vim a chamar os justos, mas os pecadores, ao arrependimento. (Mateus 9:13).

Deus quer filhos missionários, e não pessoas como num piquenique prolongado, como escreveu Ronald J. Sider: “Para os primeiros cristãos, koinonia não era a "comunhão" enfeitada de passeios quinzenais patrocinados pela igreja. Não era chá, biscoitos e conversas sofisticadas no salão social depois do sermão. Era um compartilhar incondicional de suas vidas com os outros membros do corpo de Cristo”. Nossa comunhão está fraca em pleno século da alta conectividade, como reverter este quadro?

Estratégias missionárias

Nada conseguiu parar a Reforma do século XVI e as reformas posteriores por causa do compartilhamento de informação. Agora, 5oo anos depois estamos diante de outro salto em informação, na era dos chips e bytes infinitos. Podemos ouvir uma pregação, um estudo, um louvor, em tempo real ou no tempo que quisermos em casa e em qualquer lugar, e na palma da mão podemos ter uma biblioteca imensa. Temos condições de nos conectar por vídeo com qualquer pessoa em qualquer lugar do planeta, e isto é algo maior que a revolução da prensa tipográfica. Se há 500 anos era possível pregar sobre a graça de Deus e somente a fé em Cristo, e compartilhar o Evangelho além-mar, hoje muito mais.

O rabino Jonathan Sacks, escreveu ao The Washington Post (30/10/2017), que os jihadistas estão sabendo explorar mais as ferramentas digitais e internet do que qualquer outro grupo religioso, embora estejam usando para o mal, espalhando o medo e o terror global, como tem feito o ISIS. E que o cristianismo tem feito com a alta conectividade virtual?

Precisamos reformar o foco das missões cristãs, e não perder tempo com ódios banais de Internet, fofocas e fake news. O futuro não é amanhã, é hoje. Não precisamos de uma mirabolante estratégia missionária ou de grandes missionários, mas compreender a Grande Comissão dada pelo Senhor Jesus Cristo, e a partir dela coordenar todos os recursos que temos disponíveis, sejam financeiros, organizacional, obreiros etc.

Precisamos em meio ao caos e ruído de informações retornar à simplicidade do Evangelho do Senhor Jesus Cristo, estamos em alta conectividade, mas não unidos; devemos trabalhar por uma unidade mínima e razoável para uma boa convivência com a cristandade. E com isso compartilhar o Evangelho livremente. Devemos voltar para as bases da reforma; precisamos colocar Cristo no centro de toda nossa comunicação, começando em casa e na igreja.

A tecnologia da informação muda o mundo, a tecnologia de comunicação disponível hoje é uma ferramenta de benção para o crescimento do Reino do Senhor Jesus Cristo. Façamos dela benção para muitos outros. Filtrar, compartilhar e impulsionar através de diversas mídias e ações.

Temos uma grande necessidade de evangelismo hoje, qual o seu ministério? Como você pode servir melhor ao reino de Deus? Como você pode fazer diferença neste mundo em sua geração? Lembremo-nos sempre das palavras do Senhor: “Se me amais, guardais os meus mandamentos”. Jo 14.15. – “Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele”. Jo 14.21. O mesmo Senhor que ordenou: “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”. Mateus 28.19. – Evangelizar é ir, avançar, conquistar em nome do Senhor Jesus Cristo. Ele venceu o mundo e toda autoridade é dele.

Raniere Menezes
Frases Protestantes

(Texto sem revisão – atualizado em 26/11/2017)

30.9.17

LUTERO, NEM MONGE NEM EXECUTIVO


LUTERO, NEM MONGE NEM EXECUTIVO


O legado de Lutero está acima de Lutero e de luteranos? Nesses 500 anos da Reforma muitos querem ter o selo da franquia de Lutero. Luteranos “patentearam” um Lutero liberal e o canonizaram deste modo. Os romanistas fizeram um eficaz trabalho de difamação na contrarreforma (uma franquia reversa) – “contrarreforma, sempre contrarreformando”, e o demonizaram desta forma. Não adianta dar formas a Lutero, se ele era beberrão, boca suja e pervertido, seu legado está acima dos rótulos. Acima de Lutero, dos reformadores e dos homens há o SENHOR da história, Aquele que move a linha do tempo e preserva Sua Igreja; Aquele que tem o cetro de ferro real e despedaça todos os inimigos.


Depois que se é picado pelo protestantismo reformado (redundância necessária, hoje) nunca mais se é o mesmo. O protestantismo no sangue é algo mais que Lutero, Calvino, Knox, Owen, Zuínglio, outros personagens e assembleias. Deus levanta mestres na Igreja não para que sejam canonizados e virem ídolos de altares, mas para revelar Seu tesouro à Igreja. A palavra bíblica dos credos, catecismos, confissões e comentários são esculpidas com sangue sobre a rocha. Os 500 anos da Reforma não é para dar os parabéns a Lutero nem aos luteranos, mas para dar GLÓRIA SOMENTE A DEUS, pela preservação da verdade contra os ataques dos inimigos.


Lutero e outros personagens da história da Igreja são apenas instrumentos trabalhados pelo Espírito Santo para edificação da Igreja e para a Glória de Deus. Seguimos as antigas veredas trilhadas por homens de Deus, e o seguimos até onde Deus nos dá entendimento da fidelidade bíblica de seus ensinos, caminhamos de mãos dadas com eles enquanto eles honram as antigas doutrinas da graça de Cristo. O que Deus quis revelar a sua Igreja ao longo da história das doutrinas prevalece sobre as gerações, não serão falácias ad hominem que destruirão a verdade, esteja ela onde estiver. Que todos os professores de história do mundo trabalhem na desconstrução de uma personalidade. É Deus quem preserva sua verdade através de escritos sobre firme fundamento.


Por mais que alguém tente colocar os reformadores do século XVI dentro de um baú mofado com um grosso cadeado enferrujado, eles não podem ser contidos ao século XVI somente, os reformadores voltaram às fontes e mineraram tesouros dos séculos anteriores retornando aos Pais da Igreja, aos concílios importantes e aos textos da língua original das Escrituras. E ao longo desses 500 anos da Reforma para cá, temos uma rica herança confessional que fora lapidada como um diamante em cada geração da Igreja temporal. Por mais que passemos por períodos de trevas densas do mundanismo, liberalismo e outros ismos, a luz da verdade nunca deixa de brilhar.

Raniere Menezes
Frases Protestantes